quinta-feira, 28 de junho de 2012

Acaba se tornando desperdício de palavras


Eu tenho vontade de escrever você. Escrever teu nome e sobrenome em todos os lugares, escrever em milhões de balões coloridos, no muro da Cisjordânia, na areia do deserto do Saara, em forma de fumaça no céu ou em todos os meus órgãos. Deixar nossa história criptografada para que um dia algum gênio do futuro consiga decifrar aquilo que nunca conseguimos entender. Colocar uma carta sobre você dentro de algum livro antigo que ninguém mais lê em uma biblioteca gigantesca para que um dia algum curioso encontre e entregue a carta para os teus filhos ou netos. Eu quero te transformar em canções, em esculturas de gelo ou na mais linda das poesias. Eu tenho tanta vontade de te dizer tudo aquilo que eu nunca consegui falar, só que agora os seus ouvidos se cansaram da minha voz, seus pés esqueceram o caminho da minha casa, seus olhos já não me procuram na multidão. Por mais que eu espere, grite e escreva não ira adiantar.