segunda-feira, 18 de junho de 2012

Quando se abre os olhos e só se enxerga maldade


Equilibrista, não se apoiava em nada nem ninguém, sem muletas ou bengala. ‘Danem-se’, repetiu olhando enfrentativa em volta. Mas ‘danem-se’ não era suficiente para aquela gentalha. Então rosnou: ‘FODAM-SE!’ em voz baixa, mas com ódio suficiente, exclamação, maiúscula e tudo. Ficou mais serena depois, embora exausta, desaforada e sem toxinas.

[Caio F.]

Então é isso, FODAM-SE!, estou cansada de mais para aguentar tudo isso, sem tempo para discussões, não tenho mais paciência para toda essa gentinha pequena, eu vi pessoas passando por cimas das outras, laços sendo rompidos, promessas sendo descumpridas, 'eu te amo' mentirosos. E o que eu fiz? Nada. Porque eu já deixei de acreditar nas pessoas já faz algum tempo, e o tempo em que eu acreditei foi suficiente para eu me machucar o bastante, a ponto de não querer mais me reaproximar dessas pessoas, o suficiente para não me importar em ficar sozinha. Esses seres que se dizem humanos, mas são irracionais da cabeça ao pés, revestidos por maldade pura e encapados por sorrisos e frases falsas.