quinta-feira, 28 de junho de 2012

Quando a carência se mistura com a paranoia


Ontem eu quis te ligar, mas fiquei com receio de você ver que era eu e não atender, você poderia estar com alguém e eu não queria atrapalhar, também tive medo da minha voz falhar e não conseguir dizer tudo aquilo que eu guardo aqui. Depois achei que a vontade de te ligar era porque eu não queria ficar sozinha em casa e precisava ouvir uma voz conhecida, mas o medo de não ouvir a sua voz porque eu acho que você não iria me atender foi maior do que o medo de ficar sozinha em casa. Depois pensei ser sintomas da TPM a falta de serotonina no sangue resulta em carência emocional racional e até esquizofrenia. Mesmo assim eu queria te ligar, eu precisava saber de algumas coisas, eu precisava mesmo saber antes que eu entrasse em um estado grave de euforia mental. Eu me segurei, me sufoquei, gritei comigo mesma para não te ligar e fui dormir para ver se a vontade passava. Dormir não adiantou, sonhei que te liguei, consigo controlar meus atos (ás vezes), mas o meu subconsciente é impossível. Então no sonho perguntei o que eram aquelas coisas que você escrevia e você disse que não era nada, também perguntei se gostava dela, você hesitou em responder , eu insisti e perguntei novamente: - Você gosta dela? ... Depois de alguns segundos em silêncio você respondeu: - Incontrolavelmente. Acordei, tomei um café bem forte e decidi que não vou te ligar, eu não preciso ouvir de novo, aquilo que na verdade eu sempre soube.