segunda-feira, 18 de junho de 2012

Quase ninguem acreditava naqueles dois


A mãe dela diz que ele é muito para ela, por ele já ter dado meia volta ao mundo enquanto ela nunca saiu do quarto. A mãe dele acha que ela não é companhia pro filho perfeito dela, ele se dedica aos estudos, a faculdade e se preocupa com o futuro, enquanto ela só pensa na sua proxima tatuagem, desenha nas paredes do quarto e só quer saber de viver o presente. Os amigos dele dizem que ela é insignificante para ele, porque ele vive ocupado e tem coisas demais para se preocupar. Os amigos dela acham os amigos dele uns idiotas por ficarem falando esse tipo de coisa e que ela nunca deve acreditar quando eles dizem para ela se desapegar dele. Ela se acha um pouco louca por encontrar alguem estranho na rua e poucos minutos depois já estar sentada na cozinha do estranho bebendo suco de laranja e falando sobre a sua vida, se acha um pouco exagerada por colocar ele num pedestal, ficar repetindo todas as suas qualidade e contando sobre como se conheceram para todo mundo, ela também se acha pouco para ele. Ele se sente sozinho, mas gosta de ser solitário, ele diz que enfrenta todos os seus medos, mas na verdade ele não quer mostrar a ninguem o quanto ele é frágil quando está sem ninguem, ele odeia ser igual aos outros, fazer o que todos fazem, ele não acredita em nada mas tem curiosidade sobre tudo, ele sempre quer saber tudo que ela fez desde a hora que acordou até o momento em que eles se falaram pela primeira vez no dia. Ela tem a certeza que é ''ele'' quem ela procurou até agora, desde o primeiro dia, a primeira conversa, o primeiro contato, ela sente dentro do seu interior bagunçado que é com ele que ela quer ser embalsamada e acredita mesmo nunca sabendo de nada, que isso pode dar certo. E o que ele pensa sobre ela? Ah! isso eu também queria saber.