quarta-feira, 27 de junho de 2012

Você deve estar por aí, andando por ruas erradas, virando as esquinas erradas e ligando para pessoas erradas


Ontem um pouco antes de dormir, fiz um pedido; desejei que você aparecesse, que eu te encontrasse virando a esquina, esbarrando por você na rua ou na fila do mercadinho. Não importa aonde, eu só queria te encontrar, queria que você aparecesse no portão da minha casa, na porta da minha sala ou na portaria do colégio. Não importa como, em uma ligação errada, ao pedir uma informação ou me ajudando a colocar meu cachorro pra dentro de casa.
Só queria que pegasse na minha mão e me arrancasse desse inferno, me mostrando que nem tudo está perdido, que eu ainda posso confiar em alguém, que dessa vez eu não vou precisar chorar. Queria que fizesse uma surpresa, me entregasse uma rosa, cantasse na minha janela, mesmo eu  detestando todas essas coisas, eu não me importaria desde que você conseguisse me fazer entender que eu ainda tenho muito o que viver, e preciso viver esse tempo com você. Eu só queria que você existisse e não fosse apenas mais uma ilusão criada pela mente de uma aspirante a poeta.