domingo, 7 de maio de 2017

É como se a ferida reabrisse

Ao som de: De Quem é a Culpa

Ele era quase da tua altura, quase o mesmo timbre de voz, quase o mesmo jeito de andar, ao falar a boca dele se mexia praticamente quase igual a tua, o sorriso quase idêntico, aquele jeito irônico de falar, também quase igual ao teu, quase o mesmo jeito de se vestir, quase o mesmo cheiro, quase o mesmo gosto musical, quase a mesma literatura de cabeceira, quase o mesmo beijo, quase a mesma fisionomia, quase o mesmo amor. Ah, se não fosse o “QUASE”.

- Larissa Miranda

Me peguei chorando, depois de tanto meses sem sentir a minha cabeça desmoronar com as lembranças do teu cheiro, alguém me fez lembrar de ti e todas as coisas vieram a tona: a emoção de encontrar depois de anos, meu coração acelerado ao ouvir sua voz baixinha dizendo que me amava, a segurança que eu encontrava no seu abraço apertado, minha vontade de sorrir ao te ver acordando do meu lado, o nó na garganta quando você disse que eu merecia alguém melhor, a dor de ver você virando as costas e fechando a porta pra nunca mais voltar. O medo de tudo acontecer de novo fez com eu desmarcasse qualquer compromisso para deitar na minha cama, ouvir aquela musica e chorar a tarde toda, assim como eu fiz tantas vezes desde que você desistiu de mim.